A defesa da democracia e o silêncio dos liberais

Por João Antonio

O atentado contra a produtora Porta Fundos é mais um atentado contra a democracia. Fico aqui pensando: porque será que os liberais desse país não erguem suas vozes contra este e tantos outros atentados que ferem de morte o Estado Democrático de Direito? Será que os direitos fundamentais não mais fazem parte do “cardápio” político dos liberais? Estranho!!

Não sou um ideológico sectário, também não sou um liberal defensor do individualismo competitivo próprio do “salve-se quem puder” capitalista. Defendo a solidariedade nas relações intersubjetivas. Quero para o brasil o Estado de bem estar social, onde as conquistas civilizatórias sejam parte integrante do Estado Democrático de Direito. Quem pensa assim como eu não compreende o “silêncio obsequioso” (obsequioso?) de vários personagens liberais que outrora protestaram contra o autoritarismo em nosso país. Cuidado senhores, amanhã poderá ser tarde demais!

Bertold Brecht, poeta e dramaturgo que viveu no período da ascensão do nazismo assim escreveu:

Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei

Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.

A liberdade, dentre elas, a liberdade de expressão, sempre foi uma bandeira dos liberais democratas. Aliás, lembro-me que no período da Guerra Fria, dentre as críticas ferinas lançadas pelos liberais democratas contra os experimentos socialistas – “socialismo real” -, a principal era justamente o indevido sacrifício naqueles país, das liberdades individuais, destacadamente, da liberdade de expressão.

É bom que se diga que em tempos autoritários a primeira a ser sacrificada é a cultura, mais especificamente a liberdade de expressão. O mundo está assistindo atordoado aos atentados contra a democracia liberal no Brasil. Aqui, homens do poder defendem ditaduras abertamenten – sem rodeios; atentam contra o direito mais sagrado, o direito à vida, ao banalizar o uso de armas e defender abertamente truculência das forças policiais em açao nos bairros pobres – morros e favelas; falam contra os homossexuais disseminando a homofobia. Enfim, avançam contra as conquistas civilizatórias, ancorando seu conservadorismo retrógrado no fundamentalismo religioso impreciso e inconsistente do ponto de vista teológico. Lembramos que o Estado laico vai além de um conceito meramente filosófico: trata-se de uma conquista civilizatória fundamental para assegurar a liberdade religiosa.

Enfim, a pergunta continua posta: onde estão os liberais “democratas” que não erguem suas vozes contra os ataques às conquistas civilizatórias e os direitos fundamentais?

Enfim, A Noite das Facas Longas (em alemão Nacht der langen Messer), no seu formato original, ainda não chegou por aqui. Ainda há tempo de salvar a democracia. Bertold Brecht, com sua precisão realística nos brinda com mais um dos seus poemas engajados. Assim ele escreveu:

Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo.
E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar.

Para os liberais que ainda não perceberam a gravidade do momento, segue um trecho da canção do Chico Buarque:

“Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada pra a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa

Definitivamente, afaste de nós este cale-se!

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para A defesa da democracia e o silêncio dos liberais

  1. Vítor Aly disse:

    Muito atual e preciso, gostei do seu artigo. Afasta de mim este cale-se

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s