1917: A história da greve que garantiu as feiras livres na cidade de São Paulo

Joana Monteleoneportal Brasil de Fato

Uma das exigências do levante de trabalhadores, durante a greve de 1917, foi a ampliação e a fiscalização dos preços das feiras livres – Domínio Público

“Espaços de comércio e sociabilidade, as feiras são uma conquista dos operários”

No dia 9 de julho de 1917, a polícia de São Paulo (SP) matou um grevista que protestava na porta de fábrica Mariangela, no Brás. Era José Martinez, espanhol anarquista que participava de diversos protestos contra a carestia e as condições de trabalho nas fábricas de cidade. Sua morte foi o estopim para uma das mais longas greves gerais de São Paulo, que durou todo o mês de julho e alguns dias de agosto daquele ano.  

A vida, normalmente difícil para os trabalhadores das fábricas, se tornara praticamente insuportável naquele ano, com o brutal aumento do custo de vida ocasionado pela Primeira Guerra Mundial – enquanto os salários subiram 71 % entre 1914 e 1923, o custo de vida havia aumentado 189%. Isso, em parte, se devia à opção dos industriais e fazendeiros brasileiros de fornecer mercadorias e alimentos prioritariamente para os países em guerra, desfalcando o mercado interno com a consequente alta de preços. Além disso, a polícia reprimia violentamente qualquer manifestação de desagrado, por parte dos trabalhadores, com a situação cotidiana. Policiais entravam nas casas de operários prendendo líderes e reprimindo qualquer reunião em grupo.

Com a morte de Martinez, jovem anarquista de família imigrante espanhola, a capital paulista. Martinez era arrimo de família e todos dependiam dele para sobreviver. Sua situação espelhava os diferentes e precários arranjos familiares de muitas outras famílias imigrantes da época. A identificação foi imediata. O cortejo de seu funeral percorreu uma cidade em choque, silêncio e dor – da rua Caetano Pinto, por toda a avenida Rangel Pestana até a Ladeira do Carmo. Tudo estava lotado, com pessoas em luto por causa da morte do jovem trabalhador.

Nos dias seguintes, o comércio fechou as portas, não se fabricava mais pão em se vendia leite. O governo, apesar de intensificar ainda mais a repressão matando líderes e operários, perdeu o controle da cidade.  Mesmo com o número de trabalhadores mortos pela polícia crescendo, os grevistas conseguiram emboscar alguns policiais e os mataram. O clima era terrível.  

Foi nesse estado das coisas, que o governo resolveu negociar com os grevistas. Os operários, então, apresentaram reivindicações, que incluíam o aumento de salários, mas abarcaram um leque de problemas da cidade. O encontro entre governo, empresários e líderes de trabalhadores aconteceu na sede do jornal mais importante da cidade, O Estado de S. Paulo, local em que a oligarquia paulista se sentia à vontade.  

Entre as muitas reivindicações políticas dos grevistas, reunidos em torno do Comitê de Defesa Proletária, um dos pontos fundamentais foi o congelamento dos preços dos bens alimentares e o aumento e a fiscalização dos mercados e feiras livres da cidade. Entendia-se na época que as feiras eram os locais mais apropriados para se comprar alimentos e que, portanto, deveriam ser ampliadas – em número de ruas e bairros atendidos, bem como em tamanho e número de feirantes – e fiscalizadas pelo poder público para os alimentos chegassem com preço acessível à população.

São Paulo havia sido uma das primeiras cidades do país a ter feiras livres. Elas foram regulamentadas em 27 de novembro de 1909, pelo decreto n. 28 de autoria do vereador José Oswald. Em 1917, portanto, fazia poucos anos que a feira fazia parte do cotidiano de abastecimento da cidade. Do início, as feiras tornaram-se extremamente populares, eram um lugar onde se podia comprar e vender alimentos com preços acessíveis, muitas vezes direto dos pequenos produtores da cidade.  

Desde a Idade Média, os espaços de feira sempre se caracterizaram por essa mistura de gente, comida, encontro e festa. A palavra vem do latim e está relacionada a feriado. Garantindo a feira em suas reivindicações, os grevistas além de espalhar pela cidade uma maneira de vender popular, construíram um espaço de encontro, sociabilidade e liberdade.  

Leia mais. Acesse: https://www.brasildefato.com.br

Edição: Rodrigo Chagas

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s