Opinião de Fernando Haddad: “Em vez de propor união nacional, Bolsonaro cria desavenças…”

Pandemia e classes sociais

Segundo estudo da Rede Nossa São Paulo, o morador de Cidade Tiradentes vive, em média, 23 anos a menos que o de Moema, bairros de São Paulo distantes apenas 33 quilômetros um do outro. Os bairros do centro da capital “são mais ricos e mais velhos” do que os bairros da periferia. Essa circunstância afeta a dinâmica social da pandemia.

A globalização da epidemia se deveu à circulação de viajantes de mais alta renda. Se considerarmos o domicílio dos infectados até agora, é evidente sua concentração nos bairros de classe média e alta. A periferia apenas começa a sentir a chegada do vírus, embora já sofra os efeitos econômicos da doença, fruto do isolamento social recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

Em vez de propor união nacional contra um inimigo comum —o vírus, bem entendido—, Bolsonaro cria uma desavença entre seres humanos, todos vulneráveis diante dele –o vírus, repito. Como se prefeitos e governadores estivessem preocupados com a saúde da classe média, e ele, com aqueles que dependem do trabalho para sobreviver.

Fosse verdade, Bolsonaro não teria proposto uma “renda básica” de R$ 200 por família –proposta derrotada pela oposição, que triplicou o valor do benefício, ainda não pago. Além disso, se a doença ainda não chegou com virulência aos bairros pobres, isso se deve às medidas sanitárias tardia e hesitantemente tomadas.

É bom lembrar que os jovens da periferia não terão melhor destino que os mais velhos se não dispuserem de leitos e de respiradores para o tratamento dos casos agudos –estimados em 20% do total.

Bolsonaro segue seu jogo macabro. Edir Macedo apagou vídeo em que dizia ser o vírus “tática de Satanás”, por trás do qual existe um “interesse econômico”. Silas Malafaia, menos ligeiro, teve mensagens apagadas pelo próprio Twitter, como o próprio Bolsonaro, que, entretanto, convocou um jejum contra o vírus não sem antes afirmar, em pronunciamento, acreditar que “Deus capacitará cientistas do Brasil na cura dessa doença”. Pelo jeito, comida para os pobres e verba para pesquisa ficarão por conta d’Ele.

Para salvar vidas, muitas pessoas não poderão trabalhar agora. Teremos, todos, que trabalhar mais depois. E a renda, tanto quanto possível, tem que ser mantida, para facilitar o processo de recuperação da economia. Isso só será possível com a mobilização intensa do sistema de crédito, inclusive a dívida pública.

Sem diferir e diluir os custos dessa crise, com responsabilidade, e sem distribuir os encargos decorrentes, com justiça social, sairemos dela ainda mais vulneráveis do que já estávamos.

Fernando Haddad é professor universitário, ex-ministro da Educação (governos Lula e Dilma) e ex-prefeito de São Paulo.

Publicado originalmente no jornal Folha de São Paulo. Acesse: https://www.folha.uol.com.br

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s