Opinião de Claudia Tajes: Que remédio Bolsonaro anda tomando?

E se for o contrário, remédio para uma personalidade narcisista? “O Brasil estava voando antes disso daí.” Arrã. Dólar a mais de R$ 5, gasolina a R$ 5,50, quase 14 milhões de desempregados, pibeco mais baixo dos últimos 30 anos…

Um presidente à beira de um ataque de nervos

Que remédio o presidente anda tomando? A cada novo pronunciamento, aqueles olhos parados —não que não sigam perturbados— e a forma quase mecânica de falar, lendo o texto no teleprompter com a dificuldade de sempre, mas agora como se cada palavra precisasse ser puxada por um guindaste.

Acaba-se prestando menos atenção na mensagem que na figura dele. E, a bem da verdade, o som das panelas nem deixa a gente ouvir.

Seja qual for o remédio, está fazendo efeito. Em “Um Estranho no Ninho”, filme para rever enquanto um decreto não acaba com o confinamento, os internos que se amontoam com os seus fantasmas têm os mesmos olhares, os mesmos esgares. A diferença é que estão do lado de dentro dos muros, e não decidindo os rumos de um país. Rumos é otimismo: decidindo o que vai ser para hoje.

Será um remédio para paranoia? Quando o paciente está na fase de olhar embaixo da cadeira para ver se o Rodrigo Maia não se escondeu ali, quando acorda gritando porque sonhou com o Doria subindo a rampa, quando vê a cara dos ministros do STF refletidas nos espelhos e janelas, só com remédio. Não se discute a necessidade, mas a dosagem. Não estará na hora de aumentá-la?

Pode ser uma medicação para complexo de inferioridade. O sujeito sai do baixo clero, mas o baixo clero não sai dele. Vive querendo mostrar que agora é o bambambã. Prova disso é se cercar de nulidades nos ministérios, todas firmes em seus cargos, e mexer na única pasta que estava trabalhando. Justo no pré-pico da pandemia, esperado para maio. Brasil acima de tudo, tomara que não das mortes dos Estados Unidos e da Europa.

E se for o contrário, remédio para uma personalidade narcisista? “O Brasil estava voando antes disso daí.” Arrã. Dólar a mais de R$ 5, gasolina a R$ 5,50, quase 14 milhões de desempregados, pibeco mais baixo dos últimos 30 anos. Se alguém quiser contar para ele, que espere o horário da injeção.

Toda medicação tem efeitos colaterais. No caso de Bolsonaro, o esquecimento. Sobre as mortes de Moraes MoreiraRubem Fonseca Alfredo Garcia-Roza, nem um tuitinho de condolências. Ele fez um post de solidariedade ao cantor sertanejo que andava enchendo a caveira em suas lives milionárias? Então o esquecimento não tem nada a ver com o remédio. É só uma amostra de que a ignorância continua em níveis inaceitáveis. Deus abençoe nosso amado Brasil.

Claudia Tajes é escritora e roteirista, tem 11 livros publicados. Autora de “Macha”.

Texto publicado originalmente no jornal Folha de São Paulo. Acesse: https://www.folha.uol.com.br

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s