O amadorismo atravessou a Praça dos Três Poderes

O voluntarismo de Bolsonaro deve ter causado arrepios no pessoal do dinheiro. Ficou escancarado que o planejamento não faz parte do dia-a-dia dos inquilinos do Planalto. Na falta de um projeto de retomada econômica, de um norte para o país, Bolsonaro fez o que melhor sabe fazer, uma cena simbólica para passar a ideia de que está empenhado em defender empresários e trabalhadores. Como? Não perguntem a ele, porque a resposta pode ser um: “Cale a Boca”.

Por Florestan Fernandes Jr., para o Jornalistas pela Democracia 

O amadorismo do governo Bolsonaro atravessou a Praça dos Três Poderes e entrou, sem ser convidado, no Palácio do Supremo Tribunal Federal. Acompanhavam o excelentíssimo presidente da República, seu ministro da economia e uma dezena de empresários.  

Educadamente, o presidente do Supremo, ministro Dias Tofoli, abriu uma brecha em sua agenda para ouvir do porta-voz do grupo, Paulo Guedes, a demanda do vizinho ilustre. Ele queria “apenas” uma mãozinha do STF para suspender a vigência do isolamento social nos estados e municípios. Segundo Guedes, a saúde das empresas é muito grave e várias estariam na UTI, bem perto da extrema-unção. Na visão do ministro ultraliberal, o momento é de oxigenar o capital, mesmo que, para isso, falte ar para milhares de brasileiros que padecem com o coronavírus. 

Constrangido, Tofoli explicou para os inadequados vizinhos que essa não era incumbência do STF.  E aconselhou aos visitantes negociarem com os governadores e prefeitos uma agenda para a retomada das atividades econômicas. 

O voluntarismo de Bolsonaro deve ter causado arrepios no pessoal do dinheiro. Ficou escancarado que o planejamento não faz parte do dia-a-dia dos inquilinos do Planalto. Na falta de um projeto de retomada econômica, de um norte para o país, Bolsonaro fez o que melhor sabe fazer, uma cena simbólica para passar a ideia de que está empenhado em defender empresários e trabalhadores. Como? Não perguntem a ele, porque a resposta pode ser um: “Cale a Boca”.

O resultado do encontro com Bolsonaro não foi nada bom. Os empresários não gostaram da visita surpresa ao STF, se sentiram usados. E os ministros do Supremo ficaram indignados em servirem de coadjuvantes de uma cena pastelão.

Florestan Fernandes Júnior é jornalista, escritor e integrante do Jornalistas pela Democracia

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s