Quando a pátria é pária – opinião de Sérgio Rodrigues

Párias, os filhos da pátria já não podem viajar em paz e para onde desejarem. Nos contatos que mantêm com o resto do mundo, quando não são recebidos com hostilidade, veem-se crivados de perguntas perplexas. Como foi possível? Como vocês aguentam? Onde vai parar?”

Por Sérgio Rodrigues

Entre o pária e a pátria há uma letra de distância na grafia, mas não na cartografia política e moral do mundo. Nesta, que desde o fim da União Soviética não passava por redesenhos tão profundos, aconteceu de se fundirem.

Entre o pária e a pátria há uma letra de distância na grafia, mas não na cartografia política e moral do mundo. Nesta, que desde o fim da União Soviética não passava por redesenhos tão profundos, aconteceu de se fundirem.

Os sinais amarelos de que o Brasil estava a caminho de se tornar um pária global —um país sem amigos, sem educação, inconveniente, motivo de pena ou deboche e por todos evitado— começaram a piscar quando uma pequena maioria de seus eleitores achou boa ideia eleger Jair Bolsonaro.

Com um deputado do baixo clero alçado a presidente populista de extrema direita, o gigante sul-americano —quase sempre visto com simpatia, embora rude e às vezes meio atrapalhado— exibia os primeiros sintomas de desequilíbrio.

Aos olhos do mundo, ainda não havia motivo para pânico. Muita gente quis acreditar que um homem que já tinha ido à TV pregar uma guerra civil que matasse “uns 30 mil” poderia dar ao país uma estabilidade política —autoritária, e daí?— propícia ao bom andamento dos negócios.

Desse modo, entregue a uma cepa especialmente virulenta de gente desclassificada e disposta a tudo, o Brasil terminou 2018 na zona de rebaixamento do mundo, caindo da série B para a C.

A terceira divisão do planeta é aquela onde se agrupam as ditaduras e as nações instáveis, de democracia relativa ou sob ataque, nas quais a violência pode explodir a qualquer momento.

Contudo, embora a carta da tragédia social tenha entrado no jogo naquela hora, ainda era cedo. Foi preciso esperar mais de um ano até rolarem os dados que, virando a mesa, fizessem a trama amadurecer.

Com a entrada em cena do Sars-CoV-2, ficou claro que aquela não seria mais uma história de meios-tons, de oscilações reversíveis no caráter e no destino de uma nação. Seria uma história trágica, um fracasso épico, da série C para série nenhuma.

A história de como o Brasil —tão chucro e cheio de problemas, mas também de recursos, de lampejos, de uma certa alegria e portanto de esperança— degenerou de vez num maluco estúpido que mata seu próprio povo em massa e com indiferença.

E, quanto mais mata seu povo, mais se isola, contagioso, e mais se humilha, agressivo demais com uns, capacho demais com outros. Quanto mais se desmoraliza, mais empobrece —sua moeda é a que mais perde valor no planeta. Párias são assim.

O português foi uma das primeiras línguas do mundo a importar a palavra —ainda no século 16 e inicialmente como “pariá”— do tâmil “pareyian”. Na origem, ela significava apenas “indiano não pertencente a qualquer casta, considerado impuro e desprezível” (Houaiss).

A extensão metafórica de “qualquer pessoa excluída do convívio social” surgiria uns três séculos depois. Em tâmil, “pareyian” queria dizer tocador de tambor, uma das atividades que, como o enterro de animais, eram consideradas sujas e indignas dos indivíduos superiores.

Como costuma ocorrer com os países que se afundam nessa maldição, todos os seus cidadãos acabam por se tornar meio párias também. Não importa que possam ser críticos apaixonados daquilo que surrupiou a letra T de sua pátria. Quem disse que a vida é justa?

Párias, os filhos da pátria já não podem viajar em paz e para onde desejarem. Nos contatos que mantêm com o resto do mundo, quando não são recebidos com hostilidade, veem-se crivados de perguntas perplexas. Como foi possível? Como vocês aguentam? Onde vai parar?

Sérgio Rodrigues é escritor e jornalista, autor de “O Drible” e “Viva a Língua Brasileira”.

Texto publicado originalmente no portal no jornal Folha de São Paulo. Acesse: https://www.folha.uol.com.br

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Quando a pátria é pária – opinião de Sérgio Rodrigues

  1. Sebastião Nascimento disse:

    ” Terceiro mundo virou piada no exterior…” Legião Urbana traduziu muito bem esse Brasil: ” Que país é esse?”. Agora que viramos uma tapera política não há mais a solução de alugar o Brasil. O pobre e o rico cairão no mesmo penhasco do terceiro mundo. Agora a BELÍNDIA faz sentido.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s