Novamente Corinthians e Palmeiras decidirão o Estadual. Juca Kfouri sem palpite

Registre-se o absurdo acontecido com o Bragantino, ao ser vítima de inaceitável erro em 26 exames dados como positivos para a Covid-19, 13 de jogadores, sete deles titulares, na véspera do jogo, capaz de desestabilizar o mais equilibrado dos grupos.

O Dérbi decide pela sétima vez

Por Juca Kfouri

À procura do tetra inédito no profissionalismo e do 31º título em 106 participações no campeonato estadual, o Corinthians participará de sua 21ª decisão, em busca de se sair melhor pela 15ª vez, números de Celso Unzelte, autor do aplicativo Almanaque do Timão.

sétima contra o maior rival, o Palmeiras, que despachou a Ponte Preta por enganoso 1 a 0, porque só no primeiro tempo, muito bom, fez por merecer mais, com excelente atuação de Gabriel Menino.

Parecia impossível quando houve a paralisação e o Corinthians estava cinco pontos atrás do Guarani a duas rodadas do fim da fase classificatória.

Chegar à final era obrigatório para o time apontado por todos como principal pretendente ao título antes do começo do Paulistinha, como a coluna e o presidente palmeirense tratam o torneio.

Registre-se o absurdo acontecido com o Bragantino, ao ser vítima de inaceitável erro em 26 exames dados como positivos para a Covid-19, 13 de jogadores, sete deles titulares, na véspera do jogo, capaz de desestabilizar o mais equilibrado dos grupos.

Em que medida o terrível erro do hospital Albert Einstein prejudicou a equipe de Bragança Paulista jamais saberemos, e é até estranho que o clube não tenha protestado com mais veemência ao constatar que os protocolos de segurança são menos seguros do que se possa supor.

e o Corinthians será ou não campeão são outros 500, mas chegar às finais é dar a missão por cumprida para quaisquer concorrentes.

Porém, contudo, todavia, o fiel torcedor não está nem aí diante da possibilidade provavelmente única de ser campeão nesta temporada, como aconteceu na passada.

Estava indignado com a campanha medíocre, exigia a cabeça do presidente e agora trata os críticos como anticorintianos. Nenhuma novidade.

A ponto de alguns amigos corintianos (sim, tenho amigos alvinegros, democrata que sou e a favor da frente ampla até doer…) reclamarem por ter escrito haver empate no confronto em decisões entre Corinthians e Palmeiras, três para cada lado. Argumentam com a decisão de 1954, quando o 1 a 1 deu o título ao clube do Parque São Jorge.

É verdade, deu. Mas se tivesse perdido o Corinthians ainda poderia ser o campeão na última rodada, diante do São Paulo. Não era, portanto, a rigor, a decisão, embora tenha decidido. Tecnicalidades, bem sei.

Mirassol não foi páreo.

Depois de impor a inaceitável eliminação do São Paulo, os mirassolenses chegaram ao máximo, ao seu patamar de competência.

O imenso público ausente em Itaquera presenciou atuação displicente dos tricampeões no começo do jogo, como se a vitória fosse favas contadas, precisou levar dois sustos para acordar, acordou, acertou o passo, a trave adversária com Mateus Vital, mas não acertou o gol, em pálido 0 a 0 no primeiro tempo, como este Paulistinha.

O segundo tempo foi mais tranquilo porque a rigorosa expulsão de Juninho permitiu o chamado jogo de um time só, ajudado por nova falha de goleiro e novo gol de Éderson: 1 a 0.

Certamente não é futebol de campeão, muito longe disso.

Mas, em São Paulo, quem o tem?

O Palmeiras até mostrou progressos diante da Ponte.

Mas nada que aponte favoritismos.

Juca Kfouri é jornalista, autor de “Confesso que Perdi”. É formado em ciências sociais pela USP.

Publicado originalmente no jornal Folha de São Paulo. Acesse: https://www.folha.uol.com.br

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s