Pobre é quem acha que obra literária é algo supérfluo

É de se perguntar de onde Guedes tirou que a elite compra livros. A gente abre qualquer revista de decoração e não tem uma estante nas enormes salas de piso frio dos mais abonados. Livros, só nas mesas de centro, volumes vistosos, photobooks, em geral, ali postos como enfeite ou peso de papel.

O ministro que odiava livros

Por Claudia Tajes

Desde que Paulo Guedes disse mais uma de suas máximas, a de que livro é coisa da elite, dei um inesperado pulo social. De remediada a rica em algumas páginas. Sempre pensei que não viveria o bastante para ver minha ascensão na pirâmide e agora estou aqui, mergulhada nas minhas estantes, qual o Tio Patinhas dando tchibuns em sua piscina de dinheiro.

Na reforma tributária ideal do ministro, o mercado editorial, isento desde 2004, vai tomar uma taxação de 12%. Com isso, segundo ele, o governo pode aumentar o valor do Bolsa Família. E para não deixar um eventual pobre que queira ler muito frustrado por não ter mais acesso a esse produto de magnata chamado livro, quem sabe um futuro programa de doação de obras?

Assim como pé de pobre não tem número, leitura de pobre não precisa ter estilo ou autor. Quer Machado de Assis? Pega um Olavo de Carvalho e não reclama. Sem falar no livro perfeito para dar o tom do programa: “Os Miseráveis” para os miseráveis.

É de se perguntar de onde Guedes tirou que a elite compra livros. A gente abre qualquer revista de decoração e não tem uma estante nas enormes salas de piso frio dos mais abonados. Livros, só nas mesas de centro, volumes vistosos, photobooks, em geral, ali postos como enfeite ou peso de papel.

É uma generalização idiota, eu sei. Tão idiota quanto o ministro achar que pobre não lê. Não compra livro. Troca educação e cultura por uns trocados a mais no Bolsa Família. No Brasil de hoje, pobre deixou de ser uma condição, com as suas circunstâncias, para virar condenação.

Já que o livro pode ser taxado, porque quem compra é a elite, das duas, uma. Ou os pobres passam desde já a consumir jet skis, jatinhos, helicópteros, lanchas e iates, que são livres de tributação, ou o Paulo Guedes começa a taxar os jet skis, helicópteros, lanchas e iates que, se pagassem IPVA, renderiam R$ 5 bilhões ao país —em uma estimativa de 2018. Se ele taxasse as fortunas, aí sim que o Bolsa Família engordava mesmo.

Com o imposto sobre o livro, e seu consequente encarecimento, a diminuição das vendas, a quebradeira de mais livrarias, a falência de mais editoras, o encolhimento do mercado para os autores e novos desempregados para engrossar as estatísticas, pelo menos teremos mais pobres para não consumir nem livro nem produto algum. No fim das contas, não é que o raciocínio do ministro fecha?

Claudia Tajes é escritora e roteirista, tem 11 livros publicados. Autora de “Macha”.

Publicado originalmente no jornal Folha de São Paulo. Acesse: https://www.folha.uol.com.br/

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s