Uma interpretação da letra de Roda Viva, música de Chico Buarque

Considerada pela revista Rolling Stone Brasilcomo uma das maiores músicas brasileiras de todos os tempos, Roda Viva foi lançada no final de 1967 no álbum Chico Buarque de Hollanda – Volume 3.

Capa do álbum Chico Buarque de Hollanda Volume 3 / Créditos: Divulgação

Na época, o país vivia sob o regime militar, que cada vez mais dava sinais de endurecimento: um ano após o lançamento do disco, entrou em vigor o Ato Institucional nº 5, o AI-5, maior símbolo da repressão da ditadura.

É nesse clima de apreensão que a música foi escrita. Vamos analisar melhor a letra dela?

Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cresceu
A gente quer ter voz ativa
No nosso destino mandar
Mas eis que chega a roda-viva
E carrega o destino pra lá

A música começa com um sentimento de impotência, demonstrando que algo não está bem na conjuntura social. Fomos nós que estancamos ou o mundo que cresceu demais e nós deixamos de acompanhar?

O que se tem é um impasse: queremos poder participar ativamente do mundo, decidir os rumos que tomaremos, individualmente ou enquanto sociedade. No entanto, chega a roda viva e desfaz essa ilusão, acaba com qualquer possibilidade.

Mas o que seria a roda-viva? De forma mais ampla, ela pode ser entendida como a roda do tempo, sobre o qual não temos nenhum controle.

No contexto da letra, a roda-viva é uma força associada à morte: ela aniquila, interrompe, deixa estagnado aquilo que estava em desenvolvimento.

Roda mundo, roda-gigante
Rodamoinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração

O refrão passa a ideia de desorientação: citando diferentes movimentos circulares em ordem decrescente (da imensa roda mundochegamos até a roda pião), a impressão que se tem é a de que o cerco vai se fechando enquanto rodopiamos no mesmo lugar, sem ter para onde ir.

O tempo rodou num instante nas voltas do meu coração reforça essa sensação de espanto, do tempo que passa rápido e muda tudo, antes que possamos perceber.

A gente vai contra a corrente
Até não poder resistir
Na volta do barco é que sente
O quanto deixou de cumprir
Faz tempo que a gente cultiva
A mais linda roseira que há
Mas eis que chega a roda-viva
E carrega a roseira pra lá

Novamente carregando um sentimento de desânimo, há um contraste entre o desejo de lutar ativamente, procurando nadar contra a corrente até perder as forças, e a impotência de não se poder fazer mais do que já se fez.

Aqui é um bom momento para lembrar o contexto político da época: no início da década de 1960, João Goulart assumiu a presidência do Brasil sob oposição de determinados setores militares.

Créditos: Divulgação

Com uma grave crise instaurada, que quase levou a uma guerra civil — situação solucionada com a adoção de um regime parlamentarista —, o governo de Jango foi conturbado e se desgastou rapidamente, acusado de querer implantar o comunismo.

Em março de 1964 foi realizada, em São Paulo, a Marcha Da Família Com Deus Pela Liberdade, que reuniu 500 mil pessoas contra o governo e a suposta ameaça comunista. Assim, abriu-se caminho para que ocorresse o golpe militar.

Voltando à letra, pode-se entender os versos A gente vai contra a corrente até não poder resistir. Na volta do barco é que sente o quanto deixou de cumprir como um misto de impotência e autocrítica sobre o quanto artistas e outros grupos ligados à esquerda poderiam ter feito mais pela democracia e tentado impedir que o regime militar conseguisse tanto apoio popular.

Essa interpretação é reforçada com a menção à roseira, na mesma estrofe, uma vez que a rosa vermelha foi adotada como símbolo do socialismo.

Créditos: Divulgação

Em outra interpretação, mais ampla, a roseira pode ser entendida como o cultivo da arte e do que é belo e vivo.

A roda da saia, a mulata
Não quer mais rodar, não senhor
Não posso fazer serenata
A roda de samba acabou
A gente toma a iniciativa
Viola na rua, a cantar
Mas eis que chega a roda-viva
E carrega a viola pra lá

Na estrofe acima, outras organizações em forma de roda são mencionadas, em contraste à roda-viva: a roda da saia, que passa a ideia de uma roda de dança, e as rodas de samba.

Como sabemos, durante o regime militar as manifestações artísticas e intelectuais eram submetidas à censura e muitas foram proibidas e reprimidas de forma violenta. É sobre isso que fala esse trecho: não há mais dança, não há mais canto, não há mais alegria.

E mesmo que os artistas tentassem protestar ou resistir, organizando eventos e se manifestando com a viola na rua, a cantar, pouco adiantava: a roda-viva era implacável e oprimia qualquer um que tentasse se opor a ela.

O samba, a viola, a roseira
Um dia a fogueira queimou
Foi tudo ilusão passageira
Que a brisa primeira levou
No peito a saudade cativa
Faz força pro tempo parar
Mas eis que chega a roda-viva
E carrega a saudade pra lá

O sentimento é de desesperança: fazendo uma referência à Inquisição, o letrista lamenta que a arte, a liberdade de expressão e a democracia tenham sido queimados na fogueira. Tudo não passou de uma ilusão que acabou muito rápido.

Resta agora só a saudade de dias que foram mais felizes. Mas até mesmo a saudade é oprimida pela roda-viva.

Roda mundo, roda-gigante
Rodamoinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração

No fim, o refrão acelerado transmite a ideia de gravidade e repetição. Como um cerco que vai se fechando até sufocar.

Fonte: https://www.google.com/amp/s/amp.letras.mus.br/blog/analise-roda-vida-chico-buarque/

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Uma interpretação da letra de Roda Viva, música de Chico Buarque

  1. Mônica Regina Froes disse:

    Meu Deus!! Que obra!! Perfeita!! Parabéns!!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Cecília Conti disse:

    Obra perfeita. atemporal. Estamos sempre na Roda Gigante… 👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼

    Curtido por 1 pessoa

  3. João Barros disse:

    Composição incrível.
    Quanta luta nas entrelinhas.
    👏👏👏👏👏

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s