A mão esquerda de Maradona e o Deus criacionista

“A Argentina do Século passado deixou à América, Che Guevara e Evita. Agora ambos estão fundidos num corpo inerte, que expele luzes de bravura. A graça da certeza e a habilidade – fluente nos verdes campos maquiados do futebol mundial – faz-se hoje memória e reverência. Tudo é rebeldia que não renega as suas origens na pobreza que o cercou na infância e que lhe deu autoridade para dizer que a sua mão – numa fraude esportiva histórica – é a “mão de Deus”. Será? Pode ser.

Maradona com Fidel Castro

Por Tarso Genro

Quinta, 26 de novembro. 2020. Desde cedo da manhã na Casa Rosada, em Buenos Aires, uma multidão comovida desfila perante o esquife de Maradona: futebol, espetáculo, política e religião, frustração de uma nação; desejo de glória e comunhão -no seu leito de repouso- agora é perda. A perda do herói, do atleta perfeito, do Deus encorpado num feixe de músculos que revestem um homem comum. Ele brigou para equilibrar-se com vida, sobreviver à droga, aos excessos que a fama lhe permitiu, à admiração incondicional do seu povo.

Sua morte agora se faz como reencontro no mito, que foge do cotidiano – ora modelo, ora espanto –  instala-se no inconsciente do Século para todo o sempre. No restos mortais de Maradona, o homem do povo que venceu as barreiras do mundo e concebeu a ideia de uma meritocracia  da gente espoliada que quer vencer, por qualquer meio. E de qualquer forma, inclusive pela mão de Deus..

A Argentina do Século passado deixou à América, Che Guevara e Evita. Agora ambos estão fundidos num corpo inerte, que expele luzes de bravura. A graça da certeza e a habilidade – fluente nos verdes campos maquiados do futebol mundial – faz-se hoje memória e reverência. Tudo é rebeldia que não renega as suas origens na pobreza que o cercou na infância e que lhe deu autoridade para dizer que a sua mão – numa fraude esportiva histórica – é a “mão de Deus”. Será? Pode ser.

Não há nenhum abuso na metáfora, afinal o Deus criacionista gerou o Homem, a mulher subordinada a uma costela, deixou o mundo humano a sua própria sorte: ao livre arbítrio dos que podem exercer o arbítrio! O Deus, criacionista – por coerência – bem que poderia permitir o uso daquela mão num gol decisivo, para o brio argentino. Afinal este mesmo Deus também permitiu que genocidas – como Bolsonaro e Videla no poder – fossem demônios abstratos da política, para se tornarem gestores concretos da nossa vida e da nossa morte. Repousa em paz Maradona! Mereces. Que os anjos sujos e puros dos tristes arrabaldes da miséria portenha te recebam com carinho e paz.

Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

Publicado originalmente no portal Sul21. Acesse:https://www.sul21.com.br/

Este é um texto de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a opinião do blog Traço de União.

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s