Tempo, passagem e utopias – por Mimila K Rocha

Ali naquele espaço ninguém estipulava a priori o tempo da passagem…

Todos, cada um com seu tempo, passavam sem medo, sem susto – sem necessidade de justificação.

Ninguém estava empoderado para impedir ou facilitar a liberdade de ir e vir…

Não se fazia questão de olhar a cor da pele, o acúmulo material, religião, sexo ou condição física…

O direito era de todos.

Tudo ali tinha um sentido construtivo: ponto de ligação; duto receptor; ponte de integração; instrumento de interação…

Enfim, na diversidade, a vida ali circulava intensamente.

Caminhos, pontes e corredores indicavam a direção…

Os muros eram imaginários – um delimitar das individualidades necessárias.

Não havia bilhetes nem valores estipulados: a contribuição, como atributo da consciência, era um ato voluntário – um costume.

Sim! Todos esperavam ansiosamente o próximo capítulo…

Até porque o desenlace do romance era uma obra coletiva.

Todas as ocorrências individuais ou coletivas, positivas ou negativas – funcionavam como elementos de construção…

Acontecimentos, episódios, casos, caos – nada era dispersão,

Os termos conservação, mudanças, construção e transição eram encarados com naturalidade – na dialética serviam como elo de ligação entre o presente e o futuro.

Ali, a imersão se associava a sede de saber – um querer construir do jeito certo!

Todos viam na solidariedade a passagem segura para o futuro.

Mimila K Rocha

Sobre joaoantoniofilho

João Antonio da Silva Filho é Mestre em Filosofia do Direito pala PUC - SP. É autor dos livros "A Democracia e a Democracia em Norberto Bobbio", "A Era do Direito Positivo" e "O Sujeito Oculto do Crime - Reflexões Sobre a Teoria do Dominio do Fato", publicados pela editora Verbatin. Advogado, foi vereador da capital por três mandatos consecutivos e deputado estadual por São Paulo. João Antonio nasceu em São João do Paraiso - norte de Minas Gerais. Atualmente é conselheiro do Tribunal de Contas do municipio de São Paulo.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Tempo, passagem e utopias – por Mimila K Rocha

  1. SEBASTIAO G NASCIMENTO disse:

    Obrigado, amigo. Recebo como um presente de aniversário pois afinal é de disso que um aniversário trata: tempo, passagem e utopias.
    Obrigado, amigo.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s